quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Entre Janelas (ou por elas)


26 de Dezembro


Hoje, trocaram a janela do meu quarto. Fizeram uma bagunça para tal, um rombo na minha parede, destruindo a pintura e as ideias de um universo meu que permanecia intacto por anos. Por mais que a janela anterior tivesse meio século de história, foi por além dela que eu vi tantos luares, ou vivi tantos solos de guitarra. Tinha um aspecto antigo, mas eu não ligava, até gostava dela por isso. Mas ela estava cansada. Rígida madeira de meio século, apanhando tantos sonhos para tantos fluxos – de dentro pra fora, de fora pra dentro. Vão vívido entre todas as coisas da minha vida (coisas todas estas que pretendo esconder do mundo) e o mundo propriamente dito. Mas me trocaram a janela. Desnortearam a pintura e as ideias que me guardam.


02 de Janeiro


Trocaram a janela do meu quarto. Ainda bem que o fizeram. Foi chegado o momento certo. Creio que todos nós, entre paredes e pessoas, precisamos de novas janelas. Sempre. Jamais atravessara a janela anterior, não por medo, mas porque a mesma me aprisionara em grades e durante muito tempo, mantive-me unicamente do lado de dentro. Não que eu pretenda utilizar esta nova janela como porta, mas cabe-me um sutil conforto saber que poderia se necessário fosse. Sei que antiga não fazia por mal e inclusive tenho de fato muito história pra contar sobra, de tantas e tantas noites em que foste ela minha fonte de oxigênio e vida, mas (poxa!) foi chegado o momento. Trocaram minha janela. E hoje estou feliz, posto que sinto o cheiro da madeira nova, sinto o cheiro do verniz que lhe carrega por sobre, sinto o cheiro de um novo ar, de um novo ano... e as folhas desta janela entreaberta se entrelaçam com as folhas de uma nobre árvore, lá fora, me é fácil ver daqui. Mas o mais interessante sobre esta janela nova é que algo permanecesse igual... Ainda posso ter a Lua como se ela coubesse inteira aqui dentro! E, correndo o risco de parecer louco, penso que uma parte dela eu realmente tenho cá comigo: a parte da luz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário